O Sol também é uma estrela, da Nicola Yoon


Heyo!

Tirei esse mês de Abril pra sair da minha zona de conforto; ler livros de gêneros que não estou acostumado, filmes e tudo mais. Isso foi ótimo, porquê li pra caramba e conheci livros diferentes e super divertidos.

Hoje, então, eu venho resenhar um desses livros que eu li! Li, numa tacada só, os dois livros da autora Nicola Yoon: o Tudo e todas as coisas e o O Sol também é uma estrela. Já adianto pra vocês que amei a história e o livro. Amei tanto que tô fazendo esse post, não é mesmo? 😄

Boralá! \o/


SINOPSE
Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.

Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservado para nós dois.

O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?


Quem me conhece bem sabe que eu não sou nem um pouco chegado em romances. Toda a dependência que as pessoas parecem ter das outras pra serem felizes me dá muita preguiça. Normalmente os casais dos livros que eu conheço não tem química ou, do nada, se descobrem apaixonados. Em O Sol também é uma estrela, temos dois jovens descobrindo um no outro a melhor forma de lidar com a vida. 

Um dos pontos mais fortes dessa história é a forma como os dois personagens se encontram. Certo dia eles se esbarram na rua e, graças à Irene (referência), Daniel toma coragem pra falar com Natasha. Apesar do livro contar a história do casal, Natasha e Daniel têm sua própria vida, com seus próprios problemas.

Às vezes o mundo da gente balança com tanta força que é difícil imaginar que quem estar ao redor não perceba também.
- Natasha

Natasha é uma jamaicana dos lábios roseadas que é fã de Pearl Jeam. Ah, quase me esqueço: ela e sua família estão prestes a serem deportados dos EUA. Enquanto isso temos Daniel, um garoto de pais orientais que nasceu nos EUA e tem um rabo de cavalo muito charmoso. Aparentemente a única coisa que esses dois têm em comum é o fato de morarem nos Estados Unidos... mas é aí que você se engana. Com o passar da leitura, você percebe que os dois têm toda uma vida em comum e eles encontram tudo o que precisam um no outro.

O bacana dessa história é que não temos um homem e uma mulher que necessitam desesperadamente um do outro. Temos dois adolescentes de 17 anos se descobrindo, buscando se conhecer melhor. É legal porquê eu, por exemplo, tenho 18 anos e me identifiquei com o Daniel em várias partes da história. Alguns pensamentos dele e da Natasha me representam muito, e é legal ver isso em um livro.

Contracapa.

Eles dois [Natasha e Daniel] são muito diferentes em muitos aspectos. Enquanto Natasha é mais centrada - acredita só naquilo que pode ver e tem uma resposta científica pra tudo -, Daniel é um garoto dado à sentimentos, se deixa levar pelo coração e acredita que o Destino (com D maiúsculo) os juntou.

Os seres humanos não são criaturas razoáveis. Em vez de governados pela lógica, somos governados pelas emoções.
- Natasha

Daniel é um personagem que, muitos de vocês, com certeza, vão se identificar. Ele é muito engraçado e tem umas tiradas geniais! Às vezes o coração dele fala alto - até demais - e chega a dar uma peninha dele, sabe?

Nós temos cérebros grandes e lindos. Inventamos coisas que voam. Voam. Escrevemos poesias. Você provavelmente odeia poesia, mas é difícil questionar "Devo comparar-te a um dia de verão? És por certo mais linda e mais amena" em termos de pura beleza. Somos capazes de grandes vidas. De uma grande história. Por que aceitar menos? Por que escolher a coisa prática, a coisa mais corriqueira? Nós nascemos pra sonhar e fazer as coisas com as quais sonhamos.
- Daniel

Agora vamos falar sobre o ponto mais incrível desse livro: a narrativa. O livro conta com três pontos de vista: o da Natasha, o do Daniel e o do Universo. SIM! DO UNIVERSO! Essa é, simplesmente, uma das coisas mais geniais que eu li na vida. Com esses três pontos de vista, Nicola Yoon consegue nos dar uma noção perfeita das ações dos personagens em que cada uma delas influencia a vida das pessoas ao redor. Yoon é um gênio!


Acho que não preciso nem comentar o fato d'a editora Arqueiro ter recriado a capa original com maestria, não é? Ficou lindíssima! <3

Eu estou total e completamente apaixonado pela escrita da autora e mal posso esperar pra conhecer quais outras histórias ela vai nos apresentar. ❤

NOTA: 5/5 ♥

E aí? Já leu ou ficou a fim de ler? Comenta aí! :)
Muito obrigado por ter lido! Abraços e boas leituras! :D

5 comentários:

  1. Olá Alex, eu quero muito ler esse livro, esse e o "Tudo e todas as coisas". To me organizando pra lê-los ainda nesse semestre, vamos ver.
    Amei a resenha, muito bem escrita, gosto da forma como vc organiza as ideias.

    e ah, vc foi tagueado lá no meu blog, tá. link da tag http://omalkavian.blogspot.com.br/2017/04/tag-autores-que-quero-ler-mais.html

    abração, já estou seguindo o blog e ansioso por novidades.

    ResponderExcluir
  2. Como não terminar de ler esse livro suspirando e querendo ler tudo de novo, né? Ah, eu amei taaaanto o Daniel, queria trazer ele pra casa hahaha Também amei a narrativa, Nicola arrasou com todos, pisou e sambou em nós com essa maravilha de livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel melhor pessoa! <3 <3 <3
      NICOLA, PISA MAIS QUE TÁ POUCOOO! kkk
      obg pela visita! <3

      Excluir

Deixa a sua opinião, ela é mega importante pra mim! E, ah, se você tiver um blog, deixa o link aí! Vou adorar retribuir a visita! <3

Obrigado! :D

Tecnologia do Blogger.